Cirurgia íntima feminina: Tire suas dúvidas com a Dra. Angélica Pimenta

Dra. Angélica Pimenta
Cirurgia íntima feminina: Tire suas dúvidas com a Dra. Angélica Pimenta
  1. Olá Dra. Angélica, tenho me sentido muito insegura com a aparência da minha região íntima. A senhora realiza cirurgias para corrigir imperfeições nessa área?

Dra. Angélica: Sim, claro! Sou especialista em cirurgias íntimas e ajudo mulheres a se sentirem mais confiantes e felizes com seus corpos. Existem diversas opções de procedimentos que podem corrigir imperfeições como assimetrias nos lábios vaginais, hipertrofia dos pequenos lábios, flacidez vaginal e até mesmo o clareamento da região pubiana. Na consulta, conversaremos sobre suas expectativas e necessidades para que eu possa indicar o tratamento ideal para você.

  1. Dra. Angélica, a cirurgia íntima dói muito?

Dra. Angélica: A dor é um fator subjetivo e varia de acordo com cada paciente. Utilizo técnicas anestésicas modernas para minimizar o desconforto durante a cirurgia e, na maioria dos casos, as pacientes relatam apenas uma leve dor no pós-operatório, que pode ser facilmente controlada com medicamentos.

  1. Quanto tempo leva a recuperação de uma cirurgia íntima?

Dra. Angélica: O tempo de recuperação varia de acordo com o tipo de procedimento realizado. Em geral, as pacientes podem retornar às suas atividades normais em poucos dias, mas é importante seguir as orientações médicas para garantir uma boa cicatrização.

  1. Os resultados da cirurgia íntima são definitivos?

Dra. Angélica: Os resultados da cirurgia íntima são geralmente duradouros, mas é importante lembrar que o corpo passa por mudanças naturais com o tempo. Para manter os resultados, é importante manter uma boa saúde geral, praticar exercícios físicos regularmente e evitar hábitos que possam prejudicar a região, como o tabagismo.

  1. Dra. Angélica, quais os riscos de uma cirurgia íntima?

Dra. Angélica: Como qualquer procedimento cirúrgico, a cirurgia íntima apresenta alguns riscos, como sangramento, infecção e hematomas. No entanto, esses riscos são minimizados quando a cirurgia é realizada por um profissional experiente e em um ambiente adequado.

  1. Dra. Angélica, quanto custa uma cirurgia íntima?

Dra. Angélica: O custo da cirurgia íntima varia de acordo com o tipo de procedimento realizado, o local da consulta e outros fatores. Na consulta inicial, poderemos discutir os custos detalhadamente e te auxiliar a encontrar a melhor opção para o seu orçamento.

  1. Dra. Angélica, como posso me preparar para uma cirurgia íntima?

Dra. Angélica: Para se preparar para uma cirurgia íntima, é importante seguir algumas orientações, como:

  • Fazer exames laboratoriais;
  • Informar ao médico sobre qualquer medicamento que esteja tomando;
  • Evitar fumar e consumir bebidas alcoólicas nas semanas que antecedem a cirurgia;
  • Usar roupas confortáveis no dia da cirurgia.
  1. Dra. Angélica, o que devo fazer após a cirurgia íntima?

Dra. Angélica: Após a cirurgia íntima, é importante seguir as orientações médicas para garantir uma boa cicatrização e recuperação. Isso inclui:

  • Manter a região limpa e seca;
  • Usar compressas geladas para reduzir o inchaço;
  • Tomar os medicamentos prescritos;
  • Evitar atividades físicas extenuantes nas primeiras semanas;
  • Retornar às consultas de acompanhamento.
  1. Dra. Angélica, quando posso ter relações sexuais após a cirurgia íntima?

Dra. Angélica: O tempo para retomar a vida sexual após a cirurgia íntima varia de acordo com o tipo de procedimento realizado. Na consulta de acompanhamento, o médico irá avaliar sua recuperação e te orientar sobre o momento ideal para voltar a ter relações sexuais.

  1. Dra. Angélica, existem resultados da cirurgia íntima antes e depois?

Dra. Angélica: Sim, existem diversos resultados da cirurgia íntima antes e depois disponíveis online. No entanto, é importante lembrar que cada paciente é única e os resultados podem variar. Na consulta, posso te mostrar fotos de pacientes que realizaram procedimentos semelhantes ao seu para que você tenha uma ideia do que esperar.

Importante:

  • As informações contidas neste texto são apenas informativas e não substituem a consulta médica.
  • É fundamental consultar um médico especialista para avaliar cada caso individualmente e indicar o tratamento mais adequado.